Uma Segunda Chance || Resenha

domingo, abril 19, 2020


"Durante a minha vida, eu acreditava que nada ao meu redor mudaria. No entanto, durante os dias em que eu estava sendo esquecida, o mundo continuou a girar sem falhas. E com isso vieram muitas, muitas mudanças"

— Cha Yu Ri

Título original: 하이바이, 마마
Título romanizado: Hi Bye, Mama!
Episódios: 16
Emissora: tvN
Diretor: Yoo Je Won
Roteirista: Kwon Hye Joo
Elenco Principal: Kim Tae Hee, Lee Kyu Hyung, Go Bo Gyeol e Seo Woo Jin
Lançamento: 22/2/2020 - 19/4/2020
Gênero: Fantasia, Familiar,


Uma Segunda Chance, ou como irei chamar, Hi Bye Mama, é o drama que marca o retorno de Kim Tae Hee após cinco anos de hiatus. Nesse drama, a atriz interpreta a personagem Cha Yu-Ri, uma fantasma que tem a chance de retornar a forma humana por 49 dias. Cha Yu Ri estava grávida quando sofreu um acidente e perdeu a vida. Após passar cinco anos acompanhando o crescimento da filha de perto, ela percebe que a garota passou a enxergá-la.

Preocupada com a possibilidade da filha se tornar uma xamã, Cha Yu Ri desafia as divindades e recebe um castigo bem quando estava decidida a seguir em frente. Ela deve voltar a forma humana e passar por um julgamento antes da reencarnação, tendo a oportunidade de continuar a viver, caso retome seu lugar como mãe de Seo Woo e esposa de Gang Hwa. Enquanto isso, seu ex-marido, Jo Gang Hwa, trabalha como cirurgião tórax, incapaz de operar devido a um trauma que desenvolveu após a morte da esposa e a culpa que sente por ter se apaixonado e casado novamente.


De acordo com o Allkpop, o último drama de Kim Tae Hee foi "Yong-Pal". A atriz esteve longe das telas desde o casamento com Rain e o nascimento dos seus dois filhos. Em coletiva de imprensa da tvN sobre o drama, ela explicou porque escolheu Hi Bye, Mama como o seu primeiro projeto após o período de hiatus. "É um projeto com uma mensagem muito boa, e eu queria compartilhar as realizações que tive e as lições que aprendi com o público. A série inclui temas como morte e fantasmas, mas é brilhante, agradável e acolhedora. Acho que os espectadores poderão se relacionar e obter conforto e também a cura", disse.

O que você vai encontrar em Hi Bye, Mama?

1. A sutileza do amor materno

Apesar do gênero sobrenatural, Hi Bye Mama é sobretudo um drama familiar. Ele retrata a sutileza do amor materno com toda a pureza e modéstia que o tema merece. Por um lado, vemos o processo de dor e renúncia de Cha Yu Ri, a mãe que perdeu a oportunidade de viver a maternidade e acompanhar ativamente o crescimento da filha, Seo Woo. Do outro, vemos os esforços de Oh Min Jung, a carinhosa madrasta que faz de tudo porque ama e quer ser reconhecida como uma verdadeira mãe para a filha de Cha Yu Ri. E temos Jeon Eun Sook, que passados cinco anos, ainda vive a dor do luto  pela filha que perdeu. É uma história que demonstra como o amor materno é sem precedentes.

"Eu só queria vê-la andar. Então eu quis vê-la falar, correr e se alimentar. Eu sabia que tinha que partir, mas eu queria ficar apenas um pouco mais. Só um pouco mais. Não posso ficar e observá-la? Não tenho permissão para isso?"



2. Amizades improváveis

Como gênero sobrenatural, Hi Bye Mama tem seus momentos mais peculiares graças aos fantasmas da história, que nos proporcionam cenas muito divertidas. Por vezes, senti que Cha Yu Ri parecia pertencer mais ao columbário com seus amigos fantasmas do que no mundo real, tentando se aproximar de Seo Woo. Apesar disso, as cenas com os espíritos arrependidos e Mi Dong deixaram a história mais leve, senti falta da participação deles mais a frente da história. Aliás, queria destacar um dos melhores momentos do drama, alerta de spoilers: a aparição da Shin SoonAe, de Oh My Ghost. Não sei nem como agradecer a tvN por isso. Você aí que está lendo, pode contribuir com uma salva de palmas? Porque a emissora merece. Para ler, basta selecionar a parte em branco.

3. Enredo doce amargo


"Todo mundo passa por um túnel de escuridão na vida. Um longo túnel que faz você pensar que nunca mais poderá ver a luz. Mas como não há túneis sem saídas, não há amor eterno ou dor eterna neste mundo."

Para ser direta, assistir Hi Bye Mama é um processo doloroso. Em resumo, o drama é daqueles que te golpeia do começo ao fim, mas dá o remédio e o curativo para você se curar. Não sei se essa é uma característica que torna o drama recomendável, mas precisava ser sincera. Eu geralmente curto esse tipo de história, mas o doce amargo do enredo pode causar indigestão em algumas pessoas. Então, se você quer saber se o drama tem um final feliz, aviso logo que isso é o menos importante. O sofrimento e as lágrimas estão garantidos até o último episódio - a tortura é real. hahah


💢 ATENÇÃO!!!
Alerta de spoilers.
É recomendável assistir o drama antes de continuar.

O que eu tenho a dizer sobre...

A trama

Honestamente, eu me senti bastante vulnerável assistindo Hi Bye Mama. Mesmo agora, enquanto escrevo a resenha, estou mentalmente cansada e sem disposição para escrever, REAL. Foram tantos estímulos que eu quase não conseguia chorar, só tive dor de cabeça acompanhando o último episódio. Meu plano para esse domingo não era escrever resenha, especialmente depois dessa tortura haha. Mas é justamente por me sentir assim que me obriguei a escrever. É a única forma de transparecer com sinceridade todas as emoções que tive assistindo o drama. Então, vamos lá:

Em meio a toda a abordagem da morte e do luto, o que se destaca em Hi Bye Mama é o amor sempre singular. Enquanto há o processo de aceitação para Cha Yu Ri e a busca pelo reconhecimento de Min Jung, há ainda o amor que não supera ou se conforma para os outros personagens. O drama mostra isso, que o luto não é fácil, e seguir em frente é o eterno e necessário desafio, pelo qual todos iremos passar. Mas o mais incrível é que o enredo passa a mensagem com uma sensibilidade humana irresistível, que machuca, mas faz parte.


Os relacionamentos

Confesso que comecei o drama com a expectativa de que Cha Yu Ri e Gang Hwa ficassem juntos, mas com o passar dos episódios a gente percebe que Hi Bye Mama não é a típica comédia romântica a qual estamos acostumados – e seria injusto se fosse. O destaque para o amor materno supera em muito esses romances com conflitos aparentemente insuperáveis, mas por vezes fúteis. Não entenda mal, eu amo as comédias românticas. Mas acredito que os dramas familiares trazem verdadeiras lições sobre o que precisamos valorizar na vida. E aqui, se destacam os laços de amizade e o comprometimento com o próximo.

- Cha Yu Ri e Oh Min Jung



"Eu nunca fui tão grata a mais ninguém na minha vida. Eu tenho assistido tudo bem ao lado dela. Eu nunca vou poder pagá-la de volta, mesmo depois que morrer"

Por exemplo, embora a volta de Cha Yu Ri pudesse sinalizar um possível risco para o relacionamento de Min Jung e Gang Hwa, somos surpreendidos pela conexão que se forma entre as duas. Yu Ri, em vez de sentir ciúmes, reconhece que Gang Hwa precisava encontrar a felicidade e seguir em frente. Sem falar que Min Jung não era uma megera. A sinceridade do que ela sentia pela filha de Cha Yu Ri era reafirmada cada vez que Seo Woo a recebia de braços abertos, como a pessoa que mais amava no mundo. Eu imagino que isso mexia com Cha Yu Ri, de certa forma, enquanto Seo Woo parecia a ver "apenas" como a titia agradável e gentil. Ainda assim, com um coração livre de ressentimentos e cheio de gratidão, Yu Ri continuou a torcer pelo bom relacionamento de Min Jung com a sua filha e o sucesso do casamento da amiga com Gang Hwa.


Eu também amei ver o lado meigo e bobo da Min Jung vir à tona, graças a amizade que se formou entre as duas e Hyun Jung. É natural, algumas pessoas nos fazem sentir em casa e conseguem revelar traços da nossa personalidade que nem sequer conhecíamos. E aí eu me pergunto: como não se apaixonar pela personagem Oh Min Jung? Como não sentir empatia e sofrer por alguém tão doce? Ahhh, mas a Yu Ri não merece perder tudo. É injusto. Eu também quis que ela tomasse seu lugar de volta. Atire a primeira pedra quem não ficou em conflito assistindo a esse drama.

- Gang Hwa e Min Jung

Em certo ponto, o desespero do Gang Hwa me deixou um pouco incomodada. Entendi demais como a Yu Ri e a Min Jung se sentiram com todos os pedidos de desculpas e agradecimentos. Ele estava de fato "um desastre", como a esposa bem destacou. Só ficava perambulando cabisbaixo, sem tomar atitude com nenhuma das duas. Estava chato, de verdade. Mas desde que ele desabou no hospital e começou a se sentir mais a vontade para desabafar com a Yu Ri, eu passei a entender um pouco mais o processo de luto dele. Não era apenas culpa, ele estava sufocado e ressentido.



Depois, Gang Hwa também se abriu com a Min Jung no último episódio, mostrando que não se tratava do "fantasma" da esposa dele estar entre os dois, mas do receio que ele tinha de cometer os mesmos erros que acreditava ter cometido no seu antigo relacionamento. Ele amava tanto a Min Jung que não queria se arrepender novamente. Confesso que parte do desejo que eu tinha de ver ele voltar com a Yu Ri era influenciado pela falta desse relacionamento mais próximo entre ele e a atual esposa. Mas vendo por esse lado, parece que havia algo mais real entre os dois. Consigo ver como o trauma afetou o casamento, e ele expressar isso me fez aceitar que Min Jung e Gang Hwa deveriam mesmo ficar juntos.



Na verdade, eu nem me preocupava com o romance, porque qualquer final seria satisfatório nesse sentido, para mim. Só não queria mesmo que a Yu Ri morresse. Porém, como a todo momento o drama deixava claro que o lugar dela já não existia na vida real, ficava difícil ser otimista. A peça fundamental nisso foi a Seo Woo não reconhecer ela como mãe até chegar a despedida, isso deixou bem claro que o desfecho caminhava para a partida da Yu Ri. Todo o resto não passava de jogo da trama mesmo, justificado no papo da Seo Woo estar destinada a ver fantasmas pelo resto da vida.

- Seo Woo, familiares e melhores amigos da Yu Ri

"Percebi que compartilhar é uma grande alegria e que você acaba se arrependendo se sempre recebe. Cheguei a essa conclusão depois da minha morte, através das pessoas que amo."
—  Cha Yu Ri

Não dá para terminar essa resenha sem comentar sobre a Seo Woo e a atuação perfeita do ator mirim Seo Woo Jin. Sim, é isso mesmo, quem faz o papel da filha da Cha Yu Ri é um garotinho de cinco anos (seis na Coreia). Caso queira entender, leia mais aqui. Eu fiquei encantada como ele consegue transparecer bem a personalidade da Min Jung, ainda que a ideia fosse ter a aparência da Yu Ri. Esse jeitinho mais quieto da Seo Woo a aproxima mais da mãe de criação, enquanto ela mantém os traços da mãe biológica em seus gestos (como foi apontado na cena em que Seo Woo descansa no parque de diversões com Gang Hwa e a Yu Ri). Se foi a boa atuação de uma criança de seis anos, eu não sei, mas que o personagem foi bem desempenhado, não há dúvidas.



E como não amar a Eun Sook? Ela é uma mãe tão sábia, atenciosa e acolhedora. Como sempre, né? A atriz é a melhor eomma dos dramas, da mesma forma que a Kim Young Ok é a melhor halmeoni. Eu amei a conversa que ela teve com a Min Jung no final do drama. E amei ela em todos os momentos que tratou o Gang Hwa como um filho, sempre atenta a felicidade dele, representando o desejo que ela sabia que era da Yu Ri. Rainha, sem defeitos.

Só posso dizer que respeito de mais essa família, e as cenas do passado mexeram muito comigo. Logo que acabou o drama eu corri para o Tumblr atrás de gifs para colocar nessa resenha, e um relato me chamou a atenção, por ter destacado bem o que eu senti em relação a volta da Yu Ri e o que isso significava para seus amigos e familiares. Ou seja, "a oportunidade de seguir em frente de maneira saudável, processando a tristeza e curando traumas". Estou satisfeita com a forma que terminou, de ver a Hyun Jung se despedir de forma digna da amiga, e o bobo do marido dela se redimir do vacilo que deu no último acampamento kkkk ai, obrigada por todos os momentos de descontração, Geun-Sang.

"Talvez a coisa mais linda que possamos sentir em nossas vidas seja dizer a alguém que amamos que a amamos e agradecer a alguém por quem somos gratos"


Por fim, a despedida da Yu Ri preencheu um pouco do vazio que todos sentiram quando ela partiu de repente, deixando o caminho para a aceitação e a esperança de um futuro feliz. O engraçado é que, quando a Yu Ri se despediu de si mesma, vendo seu reflexo no espelho, eu senti que poderia aceitar esse final também. Então, para mim, ainda que tenha terminado com um gosto amargo, acredito que encontrei consolo afinal.

Os personagens secundários


Parece que no decorrer dos episódios, os fantasmas perderam o sentido no drama. Uma pena. Talvez com mais quatro episódios no drama, teríamos mais cenas divertidas com eles. Eu estava na expectativa de acompanhar a Cha Yu Ri cumprindo os pedidos de cada um, mas, por fim, isso também se tornou irrelevante para o desenrolar da história. E tudo bem, não sei se iria aguentar mais duas semanas para saber como ia se desenrolar a história. Valeu a pena só pela aparição da Shin Soon Ae, que foi épica e o maior presente depois do retorno da Kim Tae Hee, nesse drama. Também adorei a família fantasma causando confusão atrás da Yu Ri. Parecia que o piloto Jang Pil-Seung ia ter uma participação mais significativa, mas isso se perdeu no meio do drama também, junto com o exorcista. Vai entender, né?


"Todo mundo que está vivo é assim. Eles pensam mais sobre amanhã do que hoje. É por isso que eles têm muitos problemas, suspiram muito e se arrependem também. Se eles pensassem que iriam viver apenas por mais um dia, como você ou outros fantasmas aqui, não teriam necessidade de se preocupar com tudo"


Você pode achar interessante...

É claro que eu não poderia terminar essa resenha sem dar destaque para a OST, né? Sinceramente, a música Miracle enriqueceu muito a produção desse drama. Ela combinou perfeitamente com a mensagem, e nos transmite um sentimento de antecipação. É mais do que uma esperança sonhadora, é a expectativa de que em breve tudo vai ficar bem. Como se, em meio a tristeza, ela nos desse batidinhas nas costas na tentativa de trazer consolo e conforto ao nosso coração. Muito obrigada, Miracle, logo eu vou superar. kkkk

Você pode gostar também

4 comentários

Curta a página no Facebook

Anúncio